• Marcelo Naudi

Torturas da afinação

Se você alguma vez tentou afinar a sua guitarra através de um acorde qualquer, já percebeu que este método é inútil. Se nunca tentou, experimente: comece fazendo um acorde de E maior. Afine a guitarra para que este acorde soe decentemente. Pronto? Agora, toque um acorde de A maior. Terrível, certo? Então, tente afinar a guitarra de acordo com o acorde de A maior, e depois toque o acorde de E maior. Desafinado novamente, não é? Nem tente outro acorde, porque o problema irá continuar. Obviamente, nós percebemos que a afinação da guitarra em cima de um determinado acorde acarreta a desafinação de outros acordes.


Então, como se afina?

É, eu sei, a pergunta é meio idiota, mas vale a pena. Se você toca a mesma nota ao mesmo tempo em dois pontos distintos na guitarra, não será possível distinguir uma nota da outra, desde que elas estejam perfeitamente afinadas. Se uma das notas estiver desafinada, você vai ouvi-la “batendo” contra a outra. No caso de estarem bastante desafinadas, você ouvirá uma onde sonora bem acentuada. Se estiverem um pouco desafinadas, a onda sonora será mais lenta. Quanto mais perto da afinação as notas estiverem, mas lenta será a onda sonora. Quando finalmente as duas notas estiverem perfeitamente afinadas, a onda pára.


Porque o método da “Corda E grave no quinto traste com a corda A solta” não funciona?

Por uma razão muito simples. Quanto mais forte você aperta a corda contra o traste, com a mão esquerda, mas aguda será a nota. Se você apertar a corda bem forte, você conseguirá ouvir a nota soar ½ tom, acima do que deveria, naquele traste. Este método funciona até um determinado momento, mas, a menos que você esteja seguro que o braço da guitarra não está empenado e que a pressão exercida sobre a corda é sempre a mesma, não dá para confiar neste método.


Porque os harmônicos não funcionam para a afinação?

Este caso e um pouco mais complexo. A explicação mais simples é a de que os harmônicos de uma corda estão sempre um pouco acima da sua nota fundamental. Se você consegue afinar os harmônicos, as notas fundamentais perdem a afinação.

Vamos analisar este tópico um pouco mais a fundo. O que é um harmônico? Muitos de nós sabemos fazer um harmônico na guitarra, mas não entendemos como eles acontecem. Coloque um dedo da mão esquerda levemente sobre qualquer corda, na altura do 12o. traste e tire-o ao mesmo tempo em que toca a corda com a mão direita. A corda soará uma oitava acima da nota fundamental. Na verdade, o harmônico soa um pouco acima de uma oitava, mas a diferença é tão pequena que você não perceberá uma desafinação. Esta é apenas uma característica da vibração das cordas. Quando você toca uma corda, ela vibra de uma maneira interessante.


O Exemplo 1 demonstra esta vibração na forma em que você vê. Mas a corda também vibra nos padrões demonstrados nos Exemplos 2, 3 e 4. E vibra também em todos os padrões ao mesmo tempo! Na verdade, ela vibra em muitas outras formas, além destas demonstradas, mas estes exemplos serão suficientes para uma ideia básica do processo.

O 12o. traste é exatamente a metade da distância na corda entre o nut e a ponte. Ao colocar o dedo naquele ponto exato, enquanto toca a corda com a mão direita, você evita que ela vibre do modo demonstrado no Exemplo 1 (que produz a nota fundamental) mas não impede, que vibre nos outros modos demonstrados.

Você pode produzir várias notas (chamadas harmônicos), usando esta técnica em pontos diferentes ao longo da corda. O exemplo ilustra uma tabela de todos os seis primeiros harmônicos. Este método de harmônicos vai muito além. Na verdade, toda vez em que você toca uma corda, todas as 12 notas da escala cromática vibram junto. Cada harmônico subsequente é muito mais baixo em volume do que o anterior, por isso, a nota percebida é a que chamamos de fundamental – basicamente, a mais alta em volume e mais grave. Note que, quando você alcança o 4o. harmônico, as descrições “um pouco acima” e “entre” são usadas ao invés dos pontos exatos. Isto acontece em razão da discrepância entre a afinação temperada e a justa.

Um cara chamado Pitágoras, que viveu há centenas de anos, instituiu o sistema justo de afinação, onde a entonação apropriada da nota é determinada pelo sistema harmônico. Você afina em uma maneira baseada nos harmônicos. Isto é ótimo, até você tocar mais de um acorde. Se trocar de tom, a coisa acaba virando um pesadelo. O sistema atual é chamado de afinação temperada, onde uma oitava é dividida em 12 partes iguais.

A verdade é que o sistema temperado faz com que harmônicos pareçam estar desafinados. A essência da afinação temperada é que ela implica uma série de fatores. Uma vez que todas as guitarras são feitas, com base neste sistema, é impossível fazer com que elas soem exatamente afinadas.

O melhor que você pode esperar é que a sua guitarra esteja “igualmente desafinada em todos os tons”.

Atualmente, existem duas companhias que brigam entre si pela patente de um sistema que afirmam “irá solucionar este problema. “ Eu tive a oportunidade de conhecer estes sistemas e posso afirmar que realmente funcionam, mas ainda assim não solucionam totalmente o problema. Agora que você ciente de todos os problemas, é hora de refletir sobre as soluções. Na próxima matéria, trarei algumas possibilidades.


Fonte: Revista Guitar nº2