? Lucas Bittencourt (guitarrista) | Curso de Guitarra Online - Guitar Express

Lucas Bittencourt (guitarrista)

Lucas Bittencourt


Marcelo Naudi - Como foi o seu processo de aprendizado na guitarra?
Lucas - Comecei aprendendo os primeiros acordes com meu pai aos doze anos. Aos treze iniciei as aulas e não parei mais. Além de ter feito aulas com Sergio Oliveira, Marcos Barnah, Kiko Loureiro, Mozart Mello, Christin Mc Cartney e Thiago Espirito Santo, sempre me dediquei e busquei aprender muitas coisas sozinho, pesquisando em livros, métodos, vídeo aulas e internet.

Marcelo Naudi - Quais foram suas influências na guitarra?
Lucas - Fui influenciado por diversos músicos em diferentes épocas de minha carreira. Os guitarristas foram Joe Satriani, Steve Vai, Eric Johnson , Malmsteen, depois conheci o Trabalho do Kiko Loureiro e do Edu Ardanuy, Andy Timmons, etc. Estes foram os guitarristas que me influenciaram no início. Mas em cada época estes nomes iam mudando, Hoje escuto muito Joe Pass, Tom Quayle, Guthrie Govan, Alex Hutchings, Brett Garsed, Greg Howe entre muito outros em uma “praia” mais “fusion’.

Marcelo Naudi - Como você define o seu estilo musical?
Lucas - É uma pergunta difícil. Sou um guitarrista de rock, mas sempre gostei de diversos estilos. Minha especialização quando me formei pelo IGT foi o Fusion e este é o estilo que estou buscando me encaixar no momento.

Marcelo Naudi - Quanto há de espaço para técnica e improvisação no seu estilo de tocar?
Lucas - Sempre gostei de coisas técnicas e de improvisar. Apesar de ter alguns vídeos de covers em meu canal do youtube, ao vivo procuro entender a ideia de cada guitarrista e fazer do meu jeito, fica mais espontâneo e eu me divirto mais assim também.

Marcelo Naudi - O que considera mais forte no seu vocabulário guitarrístico?
Lucas - Essa é uma pergunta muito difícil. rs.rs. Acredito sempre que temos muito o que evoluir e busco sempre isso. Acho que se posso destacar algo, que seja minha versatilidade por vir trabalhando desde muito novo com diferentes estilos, do Heavy Metal ao Samba.

Marcelo Naudi - Você toca algum outro instrumento?
Lucas - Considero que toco mesmo só guitarra e violão. Mas eu brinco na bateria, no baixo, tirei até uma música no cavaquinho estes dias por curiosidade. rs..rs

Marcelo Naudi - Quais atividades você desenvolve como músico e dentre elas, qual é sua principal fonte de renda?
Lucas - Faço workshops, gravações, shows, mas no momento minha principal fonte de renda são as aulas. Mantenho atualmente uma média de 35 alunos e é isso que me garante uma estabilidade.

Marcelo Naudi - Qual é o seu set up atual para aulas e shows?
Lucas - Em aulas costumo usar o Amplitube que é um pluggin de simulação de amplificadores e efeitos. É mais prático e tem um ótimo timbre. Já ao vivo depende muito do trabalho que vou fazer, mas basicamente estou usando atualmente uma guitarra Gibson Les Paul, uma Music Maker Custom Pro, um amplificador Fender Deluxe Hod Rod, Um BB preamp e um Tube Screamer como drive, delays, chorus e wah wah. Já usei também por bastante tempo as guitarras Ibanez RGT 42 e uma Tagima k1 ao vivo.

Marcelo Naudi - Você participou de alguns concursos, acha que isso contribui para o desenvolvimento da carreira de um guitarrista?
Lucas - Acredito que sim. Além de ser uma ótima forma de conhecermos novos músicos, estes concursos fazem com que nos dediquemos e estudemos para criar algo legal e mostrar nosso melhor aos jurados e ao público. Quando você fica entre os vencedores então, isso é uma “injeção” de estímulo para que você continue querendo fazer cada vez melhor. Por isso independente de ganhar ou não, eu aconselho o pessoal que ta começando ou querendo mostrar o trabalho a participar de concursos.

Marcelo Naudi - Como você trilhou seu caminho até ser reconhecido como músico e professor?
Lucas - Eu acredito que o principal foi nunca recusar trabalho de músico, independente do estilo e procurar fazer o meu melhor sempre. Desta forma sempre terá alguém satisfeito em trabalhar com você e que te indicará para outras pessoas, assim seus contatos vão crescendo e seu nome se consolidando cada vez mais.

Marcelo Naudi - Como foi desenvolvida a sua metodologia de ensino?
Lucas - A minha metodologia fui desenvolvendo ao longo dos 7 anos que dou aula. Parece não ser muito tempo mas já tive muitos alunos de diferentes tipos e com diferentes objetivos. Ao longo destes anos então fui percebendo o que funcionava melhor e como funcionava melhor na hora de ensinar. Hoje tenho a minha metodologia e o caminho que acredito que funcione melhor para que cada aluno atinja seu objetivo. Venho tendo ótimos resultados com meus alunos.

Marcelo Naudi - Em qual (is) banda (s) toca atualmente e em quais locais se apresentam?
Lucas - Atualmente toco com a Banda Royal Flush, além de tocarmos no Bourbon Street e no London Station aqui em São Paulo estamos trabalhando na agenda neste início de 2013. Também acompanho alguns cantores e bandas pelos bares e baladas em São Paulo.

Marcelo Naudi - Quanto a gravação de um disco, quais são os maiores desafios?
Lucas - Primeiro vem o desafio de compor e ficar satisfeito com o material. Depois entra a parte financeira. Gravar em um bom estúdio, com bons músicos e bons produtores não é barato, mas é um investimento necessário e muito prazeroso depois que você ouve o resultado final. Também tem o tempo. No meio de tantas aulas e shows, arrumar um tempo para se dedicar a um CD é muito complicado. Consegui em 2012 gravar o meu EP instrumental em 5 dias durante uma semana que tive de férias em Julho.

Marcelo Naudi - Como costuma gravar: gasta muito tempo, tem algum ritual?
Lucas - Eu sou muito exigente por isso as vezes costumo demorar um pouco em busca do “Take perfeito”. Mas não tenho rituais, procuro estar relaxado e concentrado no que vou fazer.

Marcelo Naudi - Que equipamentos utilizou para a gravação de seu último disco?
Lucas - Para as bases usei uma Gibson Les Paul Studio, uma Fender Stratocaster e uma Music Maker telecaster. Nos solos usei uma Tagima K1, uma Music Maker Custom Pro e uma Fender Stratocaster. De amplificadores usei um Brunetti, Peavey 5150, ENGL, Diesel e um Egnater, todos do NORCAL STUDIOS que foi onde gravei. Todas as distorções foram dos amplificadores e usei um tube screamer como boost de ganho em alguns solos. Contei com a ajuda dos produtores Adriano Daga e Brendan Duffey que foram os responsáveis pelos timbres que vocês podem ouvir no EP.

Marcelo Naudi - Como é o processo de divulgação de um disco instrumental no Brasil?
Lucas - A minha divulgação vem sendo feita toda pela internet e em workshops. O espaço para a música instrumental nunca foi muito grande, mas na internet temos espaço e público para todos os estilos. Estou feliz com a forma que meu trabalho foi aceito e com a ajuda que os fãs vem me dando para espalhar minha música. Espaços como este aqui para falar sobre o trabalho também são excelentes formas de divulgação, por isso já agradeço e parabenizo você Marcelo Naudi pelo trabalho quem vem fazendo.

Marcelo Naudi - Quais são seus projetos para 2013?
Lucas - Em 2013 já estou preparando uma serie de vídeo aulas que devem começar a ser postadas no meu canal do Youtube, vou gravar as 4 músicas do meu EP em vídeo e estou trabalhando na agenda para fazer mais workshops pelo Brasil.

 

Entrevista realizada em fevereiro/2013.